Preguiça Imprudente Sobre o Colchão

O risco de cair da cama e ser atropelado parece fazer parte de um sonho surreal dentro de outro sonho.  Quase ninguém diz: “cair do colchão”, pois, geralmente, o colchão está em cima da cama, a não ser que esteja diretamente sobre o chão, nesse caso, sim, cairia do colchão no chão.

Ver um colchão sendo transportado numa pick-up não é algo extraordinário. Começa a ficar estranho, quando alguém está deitado sobre o colchão. Ao que parece, o homem está deitado no colchão para este não cair pelo caminho. Já que é um colchão, faz muito sentido fazer peso se deitando.

Será que ele preferiu viajar meio pendurado do que ir no banco do carona? Realmente é um ponto de vista ideal para apreciar a paisagem, porém perigoso para cair no meio da estrada, com ou sem o colchão.

Poderia ser uma propaganda de colchão. Ele gostou tanto do colchão comprado na loja que não resistiu e veio deitado nele.  Se ele estivesse indo para o trabalho, essa cena seria a realização do sonho de muitas pessoas que brincam dizendo: “se eu pudesse chegar no trabalho sem sair da cama”, para isso, claro, já se deve dormir trocado.

Se não fosse tão perigoso e proibido transportar alguém assim (no Brasil é proibido, em contar que é perigoso). Algum aplicativo para chamar carros poderia adaptar a ideia para oferecer um transporte executivo com visão panorâmica. Assim que chegar ao destino, o passageiro pula da cama, ou melhor, do colchão.

Aos mais aventureiros, a pick-up poderia tomar um caminho cheio de obstáculos, e a pessoa teria a sensação de estar num bote acolchoado, correndo o risco de ser jogado para fora e cair no chão. Rafting no colchão sem água e sem remos. Se existe piratas da estrada, do asfalto, pode existir, no sentido honesto, rafting no asfalto.

Sem contar o conforto de esperar deitado os sinais vermelhos ficarem verdes, mas há o risco de ser assaltado, deitado. Chegar junto com o colchão em casa, na mudança, seria o esperado, ou, na compra, esperar a pronta entrega. Agora, vir deitado no colchão, parece um caso de apego ao colchão de estimação.

Essa foto também poderia ser usada no: Dia Internacional Da Preguiça. É possível também que seja a separação de bens de um divórcio. A esposa ficou com a cama, o marido com o colchão.